Meu sobrinho faz sites também

  • Posted on: 30 June 2015
  • By: admin
Meu sobrinho também cria sites

O sobrinho, o amigo da filha, o cunhado são sempre citados na hora da construção de um site. Eles também cobram um preço bem camarada para criar a página na web

No início da revolução tecnológica, vários curiosos se aventuraram e supostamente aprenderam a lidar com os softwares e a linguagem virtual. No entanto, passada a febre da novidade, houve uma profissionalização entre os designers e as empresas começaram a perceber que o site não poderia ser apenas o cartão de visitas em versão digital. 

Não é problema nenhum contar com o sobrinho ou o amigo dos filhos na construção de um site. O entrave é saber se essas pessoas estão atualizadas, têm estrutura para fazer a manutenção, acompanham as mudanças de comportamento dos internautas, sabem adequar as ferramentas tecnológicas aos negócios, entendem de navegabilidade, arquitetura de informação e conhecem as técnicas de leitura dos mecanismos de busca. Quantas vezes as empresas deixaram de lado esses detalhes e tiveram de refazer o trabalho?

Infelizmente, é comum ouvir ainda hoje: “Peço para atualizar o site, mas demoram muito”, “Por que a minha página não é lida pelo Google, Yahoo ou Bing?” Ou ainda “tenho pouca visitação na minha página na internet”.

As empresas devem ficar atentas. Hoje, é imperdoável manter uma página que demore mais de cinco segundos para abrir ou que esteja desatualizada. Com tantas opções tecnológicas e profissionais capacitados, deixar um site estático ou sem conexão com o mundo é perda de dinheiro na certa. As redes sociais como Facebook, Youtube, Instagram e Twitter já fazem parte do cotidiano de boa parte da população. Os últimos números divulgados pelo Ibope Nielsen Online mostram que quase 65 milhões de brasileiros, com mais de 16 anos, acessam a rede. Então, por que não interagir com esse público? E será que aquele conhecido sabe fazer isso? Será ele capaz de trazer a visibilidade e credibilidade para a sua marca? 

Se a resposta for positiva, aposte nesse parente tão atualizado. Mas se não é o seu caso, algumas dicas para encontrar um bom profissional ou empresas sérias no mercado:

 

Trace objetivos – Antes de procurar um fornecedor, faça a lição de casa. Para não errar, saiba quais são os objetivos do site de sua empresa. Defina o público que pretende atingir, o que estes internautas precisam saber, se haverá venda de produtos, se a página gera contatos, se é fonte de informação do setor ou se precisa aparecer nas buscas do Google.

 

Procure indicações – Converse com amigos, clientes e fornecedores que já têm sites. A indicação é uma boa saída no meio de tantos profissionais. No entanto, estude o estilo de arte, pois gosto não se discute.

 

Credibilidade das empresas – Veja se a empresa ou o profissional são divulgados na internet. Se ela própria não sabe fazer isso, talvez não faça o mesmo por você. Procure também por reclamações sobre a empresa na própria web.

 

Escolhendo o fornecedor – Com os objetivos traçados, escolha a empresa com o melhor atendimento (no primeiro “alô” já é possível sentir como será tratado), rapidez e que forneça informações precisas, efetivas para a resolução de seus problemas. Peça o link de alguns sites já construídos por essa empresa e teste a navegação. Se houver manutenção das páginas, verifique a estrutura de atendimento. Um dos problemas freqüentes é não ter um profissional disponível para a atualização ágil da página.

 

Detalhes técnicos – Não é preciso conhecer a linguagem HTML, CSS etc., o melhor fornecedor trará a solução certa para você. Mas, se a ideia é que seu site seja lido pelos mecanismos de busca como Google, Bing, Yahoo, não feche negócio com quem somente sabe construir páginas totalmente em Flash. Ainda não é totalmente segura a leitura de sites construídos nesta linguagem pelos mecanismos de busca.

 

Acompanhamento do trabalho – Durante a confecção, peça para acompanhar o layout das páginas. É melhor acompanhar todas as etapas para não ter retrabalho. 

 

Prazo de entrega – Pergunte também o prazo de entrega do site para que você também possa planejar suas ações futuras e preparar uma nova rotina de trabalho com a sua equipe.

 Fonte: http://imasters.com.br/artigo/14269/carreira/meu-sobrinho-constroi-sites/